Controle de Pombos

Os pombos transmitem várias doenças ao homem, principalmente por vias respiratórias por intermédio da inalação das fezes secas. As principais doenças são a criptococose (micose profunda que pode gerar inflamação no cérebro e meninges), histoplasmose e ornitose (infecções pulmonares causadas por fungos), toxoplasmose (infecção celular que ataca vários órgãos, ocasionada por protozoários), salmonela (infecção intestinal ocasionada por bactérias em alimentos contaminados), psitacose (dor de cabeça, febre alta e calafrios ocasionados por vírus) e dermatites. Algumas dessas doenças, como a toxoplasmose, podem causar cegueira, aborto e até a morte.

 

Os pombos podem causar outros problemas. Suas fezes são ácidas e corroem metais, descolorem pedras, apodrecem madeira e danificam superfícies pintadas. Suas penas entopem calhas e ralos.

 

A Lei 9605/98 (artigo 29 - parágrafo 30 ) considera os pombos como animais domesticados. Qualquer ação de controle que provoque a morte, danos físicos, maus tratos e apreensão, é passível de pena de reclusão inafiançável de até 5 anos. Como os pombos não podem ser mortos, o controle é de apenas de repelência, isto é, deve-se afastar e não matar, que pode ser feita por métodos físicos (com a instalação de barreiras que impeçam o pouso da ave) ou químicos, como o uso de gels repelentes, que não matam, mas não são suportados pelos animais.

  • Inspeção é o primeiro passo. Nesta fase, deve-se avaliar o grau, o tipo e o local de infestação.

  • O manejo é feito através de repelência, ou seja, deve-se afastar e não matar.

  • Esta repelência pode ser feita pelo método físico ou químico.

  • Os métodos químicos visam a aplicar um gel repelente. Este gel não é toxico para os pombos.

  • Os métodos físicos visam a colocação de barreiras físicas como telas, fios de nylon e espícolas, impedindo o pouso das aves.

FOLLOW US:

  • Google+ B&W
  • Facebook B&W
  • LinkedIn B&W